Papa na Paróquia: guerra é obra do demónio, só Jesus é a paz

Papa na Paróquia: guerra é obra do demónio, só Jesus é a paz

São "muitas" as guerras em curso no mundo, todas elas obra do demónio, mas o único que traz a paz e semeia a unidade é Jesus, que "devemos habituar-nos" a escutá-lo todos os dias no Evangelho. É a essência da mensagem que o Papa dirigiu à comunidade paroquial romana de Pietralata, situada ao norte de Roma, e que o Papa visitou neste domingo à tarde. Como de costume o Papa teve encontros como os grupos paroquiais e concluiu com a celebração da Santa Missa. Mas a visita iniciou com um programa imprevisto.

O Papa Francisco entrou, de facto, de surpresa numa "villa miséria" em Ponte Mammolo, num aglomerado de barracas chamado "Acampamento arco-íris", que acolhe nómadas, deslocados de África e da América Latina, e agora também da Ucrânia e da Rússia. O Papa deixou-se sufocar com grandes sorrisos pela multidão que o procurava, o apertava e o pegava pela mão, tendo terminado com a oração do "Pai Nosso" recitado em espanhol.

Em seguida o Papa chegou à paróquia de San Michele Arcangelo, no nordeste de Roma, uma paróquia já visitada por Paulo VI em 1963 e João Paulo II, em 1991. Na paróquia  o Papa passou 40 minutos com os doentes e os sem-abrigo assistidos pela Comunidade de Santo Egídio, e a seguir se encontrou com os pais das crianças recém-nascidas e que foram baptizadas no último ano. Depois o Papa encontrou-se também com 80 escuteiros que lhe ofereceram cinco sacos de dormir para os desabrigados da Estação Termini.

E então o Papa Francisco respondeu perguntas de várias crianças de dez anos:

 

O pai da guerra é o demónio

A uma criança que lhe perguntou sobre a paz, o Papa respondeu que "a guerra é uma coisa feia, porque nas guerras tantas pessoas morrem. Morrem crianças. Cai uma bomba e todos morrem. Mas quem é que faz com que haja a guerra? Perguntou-se o Papa. O pai da guerra é o diabo, porque ele não quer a unidade. Deus, sim, deseja a unidade. É o pai do amor".

E o Papa interpelou os jovens: "Vós quereis viver em paz ou em guerra? A paz, e então porque lutais? Se sentis inveja ou ciúme, então estais em guerra, advertiu. Depois, há pessoas que têm de fugir dos seus países, e dormir na rua ... Hoje, há guerras no mundo, na Ucrânia, em África ... Há tantas guerras, porque existe o ódio. E quem semeia o ódio? Jesus? Não! Jesus semeia o amor e a paz. Quando no vosso coração sentis o ódio, o ciúme, a inveja, tende cuidado porque isso vem do demónio. E quando, pelo contrário, sentis o amor ao próximo, a paz, isso vem de Jesus. E quem faz que se sintam essas coisas bonitas? Quem trabalha no nosso coração e na nossa alma? Pensai bem, porque é difícil! É o Espírito Santo! E quando sentis que ele vem a vós? Quando tendes vontade de fazer coisas bonitas! (...) Quando Jesus vem, ele nos traz o Espírito Santo que nos fortalece. Se tu não vais à Missa, é um idiota, lança o Papa. Porque, se tu vais à Missa tu recebes Jesus que te faz feliz. Tu sabes rezar? Reza sempre à Virgem Maria que te ajudará sempre a encontrar Jesus e encontrar a paz”.

Fazer as pazes, indispensável para um casal depois de uma discussão
Questionado sobre a sua vocação sacerdotal, o Papa Francisco explicou que se  sente a mesma coisa que quando se decide para o matrimónio. "Há uma certeza interior, a de querer seguir em frente porque se tem a certeza de se amar. Podes me dizer que renunciei muitas coisas, mas é a mesma coisa que no matrimónio: se eu caso com alguém, eu renuncio todos os outros. Porque a vida matrimonial não é fácil. Por vezes se discute, mas vai-se para a frente, porque se tem a certeza da própria escolha, porque sentimos que Jesus está connosco". E o Papa aproveitou a oportunidade para recomendar aos casais presentes para nunca ir para a cama sem ter feito a paz. "É uma coisa má quando num casal, existe ressentimento ou frieza”.

Ler as Escrituras para escutar a Deus
O Papa também confessou vários paroquianos antes de presidir a Missa. Durante a homilia, o Papa voltou ao Evangelho do dia. "Jesus prega e cura os doentes. Mas estou eu atento ao que Cristo me diz? Como fazer para me pôr a escutá-lo?". E o Papa sugeriu de ter sempre consigo um evangelho, e ler algumas passagens, para ver se ele me fala e se este não for o caso, ler outro trecho da sua Palavra. "Deixai-vos curar por Jesus. Todos nós temos feridas: feridas espirituais, pecados, inimizades, ciúmes. Talvez não queremos cumprimentar algumas pessoas .. " E o Papa lamentou em particular algumas famílias vivendo com discussões e ciúmes, e onde o diabo está por trás do silêncio que reina entre duas crianças. "Jesus cura tudo isso, assegurou, desde que abramos o nosso coração rezando. Uma graça que nós nunca nos devemos cansar de pedir”.(BS)