Papa: "Eram homens e mulheres que almejavam a felicidade"

Papa: "Eram homens e mulheres que almejavam a felicidade"

Cidade do Vaticano (RV) – A oração do Regina Coeli deste domingo, 19, foi fortemente caracterizada pela expressão de tristeza do Pontífice ao mencionar o naufrágio ocorrido no Mar Mediterrâneo na noite passada.

A dor do Pontífice

Francisco fez um novo apelo à comunidade internacional para que “atue com decisão e prontidão” e evite mais tragédias como esta, em que cerca de 700 pessoas desapareceram quando o barco em que viajavam rumo à Itália virou, em águas líbicas.

O Papa recordou aos fiéis na Praça São Pedro que os imigrantes mortos “eram homens e mulheres como nós, irmãos que buscam uma vida melhor; famintos, perseguidos, feridos, explorados, vítimas de guerras, pessoas que almejavam a felicidade”.

Jorge Bergoglio convidou todos a “rezar, primeiro em silêncio, e depois todos juntos, por estes irmãos e irmãs desaparecidos nas águas do Canal da Sicília.

“Expresso minha profunda dor por uma tragédia como esta e asseguro aos desaparecidos e às suas famílias que me recordarei de rezar por eles”, disse o Papa, entristecido.

De acordo com os primeiros boletins da Guarda Costeira, apenas 28 pessoas tinham sido resgatadas até o início da manhã. Segundo relatos dos sobreviventes, o barco virou quando os passageiros tentaram chamar a atenção de um navio mercante português para serem resgatados. Na maioria das travessias, imigrantes são amontoados por traficantes de pessoas em embarcações em estado precário.

Dados oficiais

Quarta-feira, 400 se afogaram num incidente semelhante, perto da costa da Líbia, país que por sua proximidade geográfica com a Itália é um dos principais pontos de partida de embarcações com imigrantes em busca de asilo. A maioria dos imigrantes vem de países africanos e de regiões de conflito no Oriente Médio, como a Síria.

Números divulgados pelas Nações Unidas indicam que em menos de uma semana, mais de 10 mil imigrantes desembarcaram na costa italiana, a maioria na ilha da Sicília. E pelo menos mil já morreram em incidentes este ano, um número 20 vezes maior que nos primeiros quatro meses de 2014.

O Papa Francisco fez sábado, 18, em encontro com o Presidente da República italiana, Sergio Mattarella, um chamado à comunidade internacional para um “envolvimento mais amplo neste drama”.

Águas calmas

A porta-voz do Acnur, Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Carlotta Sami, disse à mídia italiana que a agência estava se preparando "para uma tragédia de grandes proporções".

Segundo informações da Guarda Costeira, 20 navios e três helicópteros estão envolvidos nas buscas.

As autoridades temem um aumento de travessias, porque nos meses de primavera e verão as condições de navegação no Mediterrâneo melhoram.