Como viver uma boa Semana Santa?

Como viver uma boa Semana Santa?

A vida é uma celebração. Tudo nela tem traços de alegria e festa, desde que nascemos até que morremos – daí que diversas culturas acompanhem os rituais de exéquias com danças. Os acontecimentos são acompanhados de comida e bebida para todos os convidados, exaltando, com isso, o fato que toca diretamente o coração. Ainda que tais momentos sejam acompanhados de certos rituais e logísticas próprios, nunca podemos esquecer o essencial, para não nos distrairmos com o acessório.

Por isso, independente da forma como se comemora, é importante conhecer o que se está celebrando. Não pode existir uma verdadeira comemoração quando não há conhecimento do fato celebrado.

Nestes dias, a Igreja se prepara para celebrar o acontecimento que marcou a história do início da sua evangelização: a Páscoa de Cristo, ou seja, a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Resumimos estes fatos em uma semana que costumamos chamar de “Semana Santa”.

Nela, fazemos um percurso pelos últimos acontecimentos vividos por Jesus antes de morrer na cruz e ressuscitar para a nossa salvação. Certamente, é um período utilizado por muitos para descansar e passear, mas os que têm fé no Senhor Jesus são convidados a unir-se a Ele na contemplação do seu mistério redentor.

A razão pela qual muitas vezes não entendemos o caráter de uma comemoração qualquer se deve a que não conhecemos o homenageado ou não assimilamos, em nossa consciência emocional, o motivo que nos reúne para celebrar.

Em outras palavras, às vezes sabemos o que se comemora, mas nem sempre amamos o celebrado. Em uma festa qualquer, por exemplo, existem os convidados e possivelmente alguns “convidados dos convidados”, que talvez nem conheçam o homenageado.

Celebrar a Semana Santa não é simplesmente reunir-nos como uma massa humana sem forma alguma, na qual as pessoas se encontram por acaso para seguir, cada dia, certos ritos que nem sempre são compreendidos por todos os presentes.

Para celebrar a Semana Santa, é preciso entender o que acontece nela. E, para entendê-la, é preciso amar Jesus: somente assim poderemos nos unir a Ele em um percurso de amor durante os últimos dias da sua vida mortal em nossa terra.

Quem não consegue entender este tipo de coisas só presta atenção nos aspectos secundários, descuida do essencial e acaba esquecendo o mais importante. Muitas vezes se considera que o que importa é a quantidade de ramos que enfeitam a igreja ou que são usados pelas pessoas durante a procissão do Domingo de Ramos. Alguns acham que, se não forem tocados por alguma gotinha da água benta aspergida pelo padre, não estarão recebendo a bênção.

Outros acreditam que é “necessário” visitar sete monumentos na Quinta-Feira Santa como uma espécie de “passeio religioso”, quando, na verdade, o que importa é velar em oração diante da presença de Jesus sacramentado, recordando a noite de Getsêmani, quando Ele nos convidou a velar e orar com Ele. É importante permanecer na própria comunidade paroquial, orando em comunidade junto a Jesus.

Pensamos que o necessário é fazer uma representação teatral da Via Sacra, mostrando feridas e sangue em um longo, longo caminho da cruz, para que esta possa ter mais valor salvador. Achamos que a ornamentação das igrejas e a qualidade artística dos arranjos florais do domingo de Páscoa são um dos elementos mais importantes na hora de celebrar os mistérios da nossa salvação.

Pior ainda é considerar que tudo tem seu final na sepultura de Cristo, como quando todos voltam para casa depois de um enterro, lamentando-se pela morte do inocente, e esquecendo que uma comemoração da Semana Santa