A UNIÃO FAZ A FORÇA

A UNIÃO FAZ A FORÇA



Católicos e Luteranos em busca da unidade

O Papa Francisco, celebrando a missa de Todos os Santos no

estádio de Malmo, na Suécia, apelou novamente à unidade dos

cristãos e ao respeito entre as várias igrejas.

Falando às 15 mil pessoas que lá estavam reunidas, o papa

Francisco reafirmou a principal motivação de sua visita à

Suécia: promover a unidade profunda e sincera entre os

cristãos católicos e os luteranos. Em sua homilia, o papa

Francisco, dirigindo-se a Nossa Senhora, assim se expressou:

"À nossa Mãe do céu, rainha de todos os santos, confiamos as

nossas intenções e o diálogo em busca da plena comunhão de

todos os cristãos, para que sejamos abençoados nos nossos

esforços e alcancemos a santidade na unidade”. E salientou:

“Ainda ha necessidade de unidade entre os cristãos. Bem-

aventurados são os que rezam e trabalham pela plena

comunhão dos cristãos”.

"Agradeço a Deus por ter-me dado a oportunidade de vir a esta

terra e encontrar-me com vocês, muitos dos quais vindos de

várias partes do mundo", afirmou o papa, e acrescentou:

"Como católicos fazemos parte de uma grande família,

sustentada pela mesma comunhão de viver a nossa fé na

oração, nos sacramentos e no serviço generoso prestado aos

que necessitam e sofrem".

E dirigindo-se particularmente aos católicos que miram na

Suécia, o papa exortou-os a “agir, ao estilo de Jesus, e com

grande respeito e solidariedade para com os irmãos e irmãs de

outras igrejas e comunidades cristãs e com todos os pessoas

de boa vontade".

O papa Francisco foi à Suécia para participar da cerimónia

conjunta entre luteranos e católicos, organizada pela

Federação Luterana Mundial, por ocasião dos 500 anos da

Reforma. O gesto foi considerado histórico no caminho da

unidade e reconciliação após o cisma de Martinho Lutero.

Na missa celebrada pelo papa, além dos católicos,

participaram representantes da Federação Luterana Mundial e

a Arcebispa dos Luteranos suecos, Antje Jackelen, a primeira

mulher a ocupar este cargo.

Sem dúvida este foi o maior e mais expressivo gesto de

reaproximação entre os Católicos e os Luteranos, atendendo

ao desejo de Jesus que, dirigindo-se ao Pai rezou “Pai, que

todos sejam um, como nos somos um, para que o mundo

creia”............

Pe. Paulo de Coppi - PIME