A INFELIZ DIVISÃO DOS CRISTÃOS

11/04/2016 10:58

“A divisão entre católicos e evangélicos é obra do diabo” afirmou o Papa Francisco.

Recentemente o Papa Francisco disse que “é o próprio demônio’, o ‘Pai da Mentira, que mantém divididos os católicos os evangélicos das diferentes denominações”. É o “pai da discórdia” que faz todo o possível para nos manter divididos”

“Isso pode soar como controverso, ou até mesmo herético, talvez”, acrescentou o papa. “Mas há alguém, continua o papa, que ‘sabe’ que, apesar de nossas diferenças, nós somos um. O diabo “sabe que os cristãos são discípulos de Cristo, que eles são um, que eles são irmãos! Ele não se importa se são evangélicos, ortodoxos, luteranos, católicos ou apostólicos … ele não se importa! Eles são cristãos”.

O Papa insistiu afirmando que “a divisão é algo que ‘arde’, bem como uma ferida no corpo da igreja de Cristo. E nós não queremos que essa ferida permaneça aberta”, disse ele, pedindo para que os cristãos juntos procurem a unidade e orem uns pelos outros como Cristo pediu na véspera da sua morte quando Ele implorou: ‘Pai, que todos os que creem em mim sejam um, para que o mundo saiba que você me enviou’.

Diversas vezes o Papa Francisco chegando, como pastor dos católicos, deu o exemplo ao pedir perdão pelas “incompreensões de muitos católicos”.

Prezados leitores, como missionário, deixei a minha terra para anunciar a boa Nova de Jesus pelo mundo afora, sinto fortemente quanto seja triste e prejudicial essa divisão entre os cristãos. Jesus previu tudo isso e suplicou ao Pai pedindo-lhe que houvesse unidade, entre aqueles que disseram SIM a sua sofrida  proposta de salvação. Infelizmente, as lacerações entre  os que se dizem cristão continuam prejudicando a caminhada da evangelização nos 5 continentes.

Convido você também e a todos e todas que escutam a nossa WEB RADIO e lerem essas considerações, a rezarem e trabalharem para que a tão sonhada unidade entre os que acreditam em Cristo, como o único Salvador, se torne realidade para que “o mundo creia que Tu me enviaste” (Jo 17,21)

Pe. Paulo De Coppi